segunda-feira, 2 de julho de 2012

E o Belviq? Vamos usar lorcaserina?

O FDA (órgão de cotrole de alimentos e medicamentos nos EUA) aprovou, dia 27 de junho de 2012, uma nova droga para combater a obesidade: a LORCASERINA.

Esta notícia criou grande expectativa entre profissionais de saúde e pacientes que lutam contra este mal, mas precisa ser vista com ponderação e é necessário definirmos alguns limites sobre esta nova opção.

Primeiro de tudo: esta nova droga ainda não está aprovada no Brasil. Desta maneira, esqueça esta opção por ainda algum tempo, pois sua avaliação e aprovação provavelmente não serão tão rápidas. Levando em conta que seu mecanismo de ação é similar ao de uma droga que foi retirada do mercado, a fenfluramina, as avaliações devem ser muito criteriosas e sua possível liberação deve dar trabalho.

A fenfluramina foi tirada do mercado por causar problemas cardíacos, problema supostamente solucionado no caso da lorcaserina. Foram apresentados alguns estudos demonstrando que a nova droga não causaria este efeito mas, obviamente, cautela é sempre bom.

A droga nova age em receptores específicos 5-HT2c, estimulando a liberação de proopiomelanocortina (POMC) e, consequentemente, gerando saciedade. Isso significa que, estando em uso desta medicação, o paciente vai se sentir satisfeito com menor volume de alimentos. Isto é interessante, mas vale lembrar que muitas outras drogas, sintéticas e naturais, trazem a mesma proposta. Ensaios clínicos mostraram bons resultados com a lorcaserina e esperamos que isso se reproduza no público que vier a utilizá-la.

O segundo ponto é o seguinte: a nova droga foi aprovada com indicações específicas pelo FDA. A proposta é que sejam usuários os pacientes com Índice de Massa Corpórea (IMC) maior que 30 ou maior que 27 associado a outras doenças, como diabetes e/ou hipertensão. Isso define bem o grupo que deve fazer uso da novidade. Reparou?

Veja bem. Se você não se encaixa em nenhuma das duas especificações você NÃO É CANDIDATO(A) A UTILIZAR A LORCASERINA. Não é uma medicação para "diminuir o pezinho da barriga" nem para "perder mais uns 3 quilinhos". Trata-se de uma droga extremamente específica em sua ação, que chega como novidade e que ainda não se tem experiência com o uso. Pode ser uma maravilha mas também pode ser um problema, como já vimos acontecer antes com outras propostas.

Não quero ser chato mas tenho que frizar: se for liberada no Brasil, só utilize esta nova droga sob prescrição e acompanhamento médico. É o mais sensato a fazer.

Eu não poderia fechar um post como esse sem comentar mais uma coisa: NÃO EXISTE DROGA MILAGROSA PARA EMAGRECER. O processo de emagrecimento envolve mudança de hábitos de vida em uma escala tão global que nenhuma proposta isolada, seja ela farmacológica ou não, deve ser capaz de promovê-lo a contento. Se cerque de profissionais competentes para cuidar de sua saúde. O trabalho multidisciplinar integrado, com médico, nutricionista, educador físico, psicólogo, farmacêutico e biólogo trabalhando de forma harmônica, diretamente ou em consultoria, é a melhora maneira de emagrecer com saúde e sucesso. É a melhor maneira de promover sua saúde de forma plena. Aposte no seu esforço orientado e seu sucesso estará garantido.

"Ponderação e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém."

E também:

"Laranja madura na beira da estrada..."

Reflita... e se esforce!