Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Antropometria: avaliação da composição corporal

Este texto é uma contribuição do nosso parceiro de trabalho na Sallus - Saúde Integrada, o Nutricionista
Junior Brito.

A composição corporal do ser humano pode ser avaliada através da antropometria, considerada uma ciência desde Da Vinci, que criou o modelo humano, até os dias atuais, considerando a NASA como pioneira realizando análises nos seus astronautas.

Existem métodos diferentes para analisar a composição corporal: métodos diretos (dissecação) e indiretos (exames excreção de creatina, físico-químicos, absorção de gases, etc...) e duplamente indiretos (IMC, BIA, dobras cutâneas, cintura quadril, circunferência abdominal).

A somatometria é o principal método utilizado na prática clinica. Esta visa avaliar a composição corporal por meio de dobras e circunferências. Isto é muito importante, porém depende da habilidade do avaliador. BIA (bioimpedância eletromagnética) é um exame muito eficaz, porém deve se considerar o preparo para o mesmo, que interfere diretamente nos resultados, podendo comprometê-los. Estas metodologias avaliam a evolução do paciente, realizados na consulta e no retorno, sendo ferramentas indispensáveis no dia-a-dia do consultório.

Os métodos para análise de composição corporal são frequentemente confrontados com o objetivo de determinar qual seria o melhor para a aplicação corriqueira em consultório. Há muitas controvérsias neste sentido. A margem de erro observada por mim, em consultório, comparando BIA e somatometria foi de, aproximadamente, 5%, favorecendo a somatometria.

O IAC (Índice de Apidosidade Corporal), índice de conicidade e a RCQ (Relação Cintura Quadril) também são ferramentas indicadoras de obesidade e de risco cardiovascular. A mensuração desses dados também sinaliza a evolução do paciente. O IMC (Índice de Massa Corporal) apresenta-se como um dado limitado, podendo variar muito dependendo do biotipo de cada indivíduo.

Refletindo sobre este tema só podemos concluir que os métodos de avaliação da composição corporal estão em constante avanço mas ainda não foi encontrado um padrão de análise clínica perfeito. Precisamos de muitas pesquisas e debates sobre o tema para chegar a um denominador comum ou, pelo menos, perto disso. Uma coisa é certa: acompanhamento simples do peso não tem utilidade prática. Dê uma lida em Meu Peso Ideal É X Quilos... Taxativamente.


Avaliar a composição corporal do paciente é parte fundamental da consulta com o nutricionista.