terça-feira, 18 de novembro de 2014

Possibilidades, ponderações e ações.

Ação.

Esta palavra pequena e simples representa tudo que devemos buscar na resolução de um problema. Sem ela, nada se resolve, nada se cria e nada se salva. Sem a ação, o mocinho não pode vencer o bandido e este, livre para agir, pode perpetrar maldades.

É claro que a ponderação e o planejamento devem vir antes, mas isto não os torna mais importantes. São, no máximo, tão valiosos quanto. Ponderação, planejamento e ação devem caminhar juntos, em fila indiana, nesta exata ordem, para que tudo que queremos seja alcançado ou, pelo menos, alcancemos o mais próximo possível.

As possibilidades e circunstâncias também são muito importantes nesta conversa, pois definem as


condições e limites para tudo que se pondere, planeje e vire ação. Muitas vezes, somos incapazes de avaliar adequadamente estes últimos fatores (que são, em verdade, primeiros) e pecamos por nos acharmos incapazes de alcançar ou, ao contrário, por arrogantemente acreditarmos excessivamente em nossa capacidade.

Não estou aqui discorrendo sobre as múltiplas possibilidades do nosso potencial interno infinito. Isso é imensurável, mas não somos treinados a utilizar adequadamente. Estou falando de aspectos muito mais práticos e óbvios que norteiam nossas tomadas de decisão e ações.

Quero te dizer, simplesmente, que procure, na maior parte das situações, percorrer este caminho:

1. Avaliar possibilidades e circunstâncias;
2. Ponderar e planejar;
3. AGIR!

Mais uma vez, como muitas coisa que escrevo aqui pra vocês, tudo isso parece um monte de bobagens óbvias. Beleza, então. Te desafio a mostrar que SEMPRE age assim. Eu duvido...

O mais comum é escolhermos quando queremos ou não queremos agir, quando queremos ou não queremos ponderar e planejar e quando queremos ou não queremos avaliar possibilidades e circunstâncias antes de tomar decisões. Não costumamos cumprir as três etapas suficientemente por acharmos que tais decisões são maiores ou mais importantes do que outras ou qualquer outro motivo.

Sabe o que eu vou te dizer? Simples. Nós NÃO sabemos!

Efeito borboleta.

Uma pequena decisão, que você acredita ser insignificante, pode mudar uma vida algumas esquinas adiante. O jogo do acaso (ou não) é intrincado e complexo demais para que possamos avaliar o quadro geral, de forma que trago a sugestão.

Decida tudo como se fosse muito importante.

Você nunca sabe quando será de fato.

Mais uma coisinha. DECIDA SEMPRE! SAIA DE CIMA O MURO!

É a sua VIDA que te pede.

Cuide-se.