sábado, 27 de abril de 2013

Osteoporose/osteopenia e o DENOSUMAB? Vamos usar?


A osteoporose (veja  Osteoporose, você e o que fazer) é um problema que aflige milhões de pessoas  no mundo todo e, ao contrário do que muitos
pensam, não afeta só mulheres idosas. Existem diversas situações que podem levar à redução da massa óssea em uma pessoa, desde o decaimento hormonal que ocorre com a idade até patologias, poluentes e contaminantes.

O tratamento deste problema se concentrou, por muito tempo, na reposição de cálcio pura e simplesmente. Já se sabe que isso não funciona desta forma. Para realizar uma verdadeira reposição de cálcio, temos que repor também, minimamente e de acordo com as necessidades individuais, magnésio, vitamina D, manganês, boro, riboflavina, vitamina C e, sem dúvida, tudo que favorecer o desenvolvimento do colágeno.

Pois é. Pra quem não sabia, o osso não é uma pedra. Ele é uma estrutura viva onde, constantemente, há renovação. As células chamadas osteoblastos criam "osso novo", enquanto os osteoclastos "comem osso velho". Este "osso" é, na verdade, um tipo de cartilagem onde se depositam minerais como o cálcio. É como se o colágeno "desse a liga" do material.

Considerando tudo isso, se você apenas repuser o cálcio, sem atenção ao resto, vai conseguir, apenas, cálculos renais e piora das placas que entopem seus vasos sanguíneos. Além disso, se cuidarmos apenas da parte mineral do osso, perdemos a pequena flexibilidade que ele tem que ter pra não quebrar... então ele acaba fraturando.

Há um bocado de tempo surgiram drogas para cuidar disso também. Os bisfosfonatos surgiram como uma revolução no tratamento da osteoporose! Eles realmente melhoram muito o perfil das densitometrias ósseas (exames utilizado para avaliar a densidade mineral óssea) das pacientes, pois aumentam um bocado a manutenção do cálcio no osso. Sua ação se deve, justamente, à inibição e indução da morte dos osteoclastos (lembra que eu falei deles mais acima?).

O único problema é que este efeito é tão eficiente que a matriz de colágeno vai ficando "velha". O osso pode ir "perdendo a liga". Depois de algum tempo do seu uso mundial começaram a surgir os casos de fratura pós-bisfosfonatos e de necrose de mandíbula. Isso mesmo! Não é um quadro bonito...

E agora? Quem poderá nos salvar? Talvez, o DENOSUMAB.

Esta nova molécula é muito promissora porque apenas diminui a atividade dos osteoclastos, sem induzi-los à morte. Isso leva a um efeito mais equilibrado entre síntese e reabsorção óssea, favorecendo a manutenção de ossos mais fortes e com muito menor risco de fraturas.

E tem efeitos colaterais?

Eu nunca encontrei um remédio que não pudesse gerar efeitos colaterais. No caso do denosumab, não é diferente. É bem verdade que eles são muito pouco frequentes, conferindo ao medicamento um perfil de segurança excelente. Ainda acredito que seja superior às outras moléculas com a mesma finalidade neste quesito.

Vamos lembrar, também, que o perfil hormonal interfere diretamente sobre o problema. Ele não pode ser esquecido e precisa ser equilibrado.

No final de toda esta conversa, você precisa de um médico pra te orientar e tratar. Converse com quem te acompanha para maiores esclarecimentos. O profissional que já te conhece e trata é a melhor pessoa para avaliar quais tipos de tratamentos são mais adequados para você.

Fique firme!

4 comentários:

  1. O cálcio quelado no tratamento da osteoporose existe na forma industrializada? ou melhor manipular?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Maria,

      Até hoje eu só vi cálcio quelado isolado em suplementos importados. Eu costumo manipular.

      Excluir
  2. Ok. e a vitamina D3 qual a melhor forma de tomar? em cápsula(manipulada), comprimido sublingual também manipulado ou em gotas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A melhor forma é em cápsulas de liberação entérica, ou seja, que só se abrirão no intestino delgado. Elas podem ser industrializadas ou manipuladas.

      Excluir