terça-feira, 17 de maio de 2011

"Meu peso ideal é X quilos." - taxativamente.

Num adianta se esticar...
Essa frase é tão comum no consultório que se eu ganhasse R$1,00 para cada vez que a ouço, ficava milionário bem rapidinho. Muita gente chega já dizendo isso, quase sempre com um complemento:

"É o peso que eu tinha antes da minha primeira gravidez."
Ou:
"É o peso que eu me sinto bem
."
Às vezes é:
"É o peso que eu tinha quando me casei."
E tem até:
"Porque, por TODOS OS CÁLCULOS, este É o peso que eu tenho que ter para a minha altura."

Vamos lá pessoal. O grande problema do peso ideal, mas IDEAL mesmo, é somente um: nós, da área de saúde, quer sejamos de quaisquer especialidades, não temos um método perfeito e preciso para calcular o tão falado e famoso personagem dos sonhos e pesadelos de vocês.

Os métodos disponíveis podem, no máximo, estimar com uma margem de erro ou definir uma faixa aonde estará inserido o seu peso ideal. Sei que você deve estar pensando: "mas como pode ser isso? Hoje em dia a Medicina e a Nutrição estão tão avançadas!" Ao passo que eu te responderia: "Você não sabe quanta coisa nestas áreas é feita por aproximação, faixas probabilísticas e analogia."

Então devemos ficar deprimidos e pensar que não temos norte a seguir? A resposta é NÃO.

Afirmando o que eu disse lá em cima eu não estou propondo que joguemos fora todos os métodos e cálculos que desenvolvemos ao longo dos anos. Eles não são, nem de longe, inúteis. Só não oferecem o nível de precisão que, muitas vezes, aparentam oferecer. Aceite, apenas, que eles não indicam um ponto exato, mas dão idéia de onde ele está. A busca deste número mágico, que com certeza existe à revelia de nossa incapacidade de encontrá-lo com exatidão, passa por ponderações que só os profissionais realmente dedicados ao trabalho com o equilíbrio do organismo humano são capazes de realizar a contento.

Além de tudo isso, tenho uma proposta pra você: ESQUEÇA SEU PESO.

Isso mesmo! A não ser que o danado esteja tão diabolicamente excessivo que te cause males ortopédicos e cardiopulmonares, esqueça-o. Saiba que a circunferência abdominal define muito mais seu perfil de saúde que o peso. Veja só isso:
Titio Arnold, no auge da sua carreira, pesava 118Kg e tinha 1,88m. Calculando seu IMC (Índice de Massa Corpórea), nós chegamos à espantosa marca de 33,39Kg/m2! Isso representa OBESIDADE GRAU 1! Agora olha a criança! Olha a foto do rapaz! Tava gordo o mizerável?
Tio Arnold

Se lembrem bem de uma coisa: o que mais importa, o que nós mais conseguimos perceber de fato, até agora, com muito trabalho e pesquisa, é que a gordura visceral, aquela dentro do abdome, interfere muito mais na nossa saúde. É ela que estraga a brincadeira e nos aproxima de muitas doenças e perda de qualidade de vida. Se você é homem, tente mantê-la abaixo de 94cm. Se é mulher, fique com ela abaixo de 82cm. Mesmo estes números são apenas norteadores, e vão variar de pessoa para pessoa. No consultório a gente afina esse instrumento, OK?